Reurbanização da Rua Frei Caneca, São Paulo, SP.

Ganhador do 1º Prêmio: FMC Arquitetura.

FMC Arquitetura / Fondarius Arquitectura

Transformar a rua Frei Caneca, em São Paulo (SP), em um ponto de encontro seguro, harmonioso e acessível. Essa é a ideia do plano proposto pelo escritório FMC Arquitetura, dos arquitetos Conrado Garcia Ferrés, Thais Milani, Roberto Campanhã e Santiago García, em parceria com o ateliê catalão Fondarius Arquitectura, do arquiteto Federico Calabrese. O projeto acaba de vencer concurso realizado pela associação GLS Casarão Brasil e pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), que teve 31 trabalhos inscritos.

Os profissionais criaram um redesenho completo de calçadas e mobiliário urbano para a região, com a intenção de recuperar o espaço urbano, bastante degradado. Segundo Garcia Ferrés, ao esboçar o projeto, eles pensaram em primeiro lugar em dar prioridade ao pedestre sobre os veículos, de forma a enfatizar a identidade residencial e comercial da rua e transformá-la em uma praça ou num centro comercial ao ar livre. Assim, só veículos de moradores e comerciantes estabelecidos na Frei Caneca terão acesso ao trecho central da rua, cujo leito será nivelado com as calçadas. Nas extremidades o tráfego será normal. Pavimento permeável, inclusive trechos com grama, estão previstos no projeto.

Especial atenção foi dedicada ao mobiliário urbano. De acordo com o projeto, iluminação, bancos, postes e sinalização serão feitos de tubos circulares de aço galvanizado e pintado, que irão ancorados a um dado de concreto com dimensões variáveis em função da sua altura e peso. O efeito, segundo os arquitetos, serão "árvores de luz", que se tornarão ícones da rua.

  • No alto, perspectivas de diversos pontos da rua; no centro, a implantação desses trechos
    e acima cortes mostram como a Frei Caneca deve ficar caso o projeto seja executado

Para concretizar o projeto, a associação GLS Casarão Brasil irá negociar a execução das obras de infraestrutura subterrânea com a prefeitura e a troca de calçadas e de mobiliário urbano com empresários e comerciantes da região. Se for aprovada pelo poder público e iniciativa privada,  o bairro Cerqueira César, onde a rua se localiza,  mudará completamente. "Nós, cidadãos, temos em comum um território que cada vez nos pertence menos. As cidades em que exercemos o nosso esforço diário estão fragmentadas em áreas cada vez mais delimitadas. Por isso, entendemos o espaço público como a soma, a sobreposição das ações e eventos, um lugar para tudo e para todos, um espaço híbrido, multicêntrico, dinâmico", afirma Garcia Ferrés.

Publicado na UOL, Casa & Decoração.